Ansiedade financeira: O que é e como lidar?

Sente-se constantemente preocupado com o estado das suas finanças pessoais? Saiba o que é a ansiedade financeira e como combatê-la.

A ansiedade é uma emoção natural que surge em momentos de maior tensão, preocupação e insegurança. Embora a ansiedade seja uma emoção comum, quando se torna constante em situações especificas ou num transtorno de ansiedade generalizada (nervosismo e preocupação excessiva em diversas atividades/acontecimentos), podemos estar perante um problema de saúde mental.

Nos últimos anos, a ansiedade tem sido estudada a fundo. E cada vez surgem mais opções de tratamento para melhorar a saúde mental dos milhões de pacientes com este tipo de transtorno. No entanto, pouco se fala sobre ansiedade financeira. E este é um problema que afeta inúmeras pessoas e os seus sintomas podem trazer graves problemas a longo prazo para a saúde mental e física.

A ansiedade financeira é um termo médico, mas também utilizado nos mercados financeiros. Neste último caso, a ansiedade financeira é vista como um indicador de desempenho, que leva as pessoas a tomarem certas decisões perante as condições do mercado.

Mas na vida pessoal, a ansiedade financeira tem um conceito mais abrangente e pode trazer graves consequências para a sua saúde. Por exemplo, em situações específicas onde a falta de dinheiro começa a causar-lhe diversos problemas, como ataques de pânico, crises de ansiedade, insónias, entre outros sintomas, é preciso tomar medidas para travar estes sintomas.

Embora deva procurar ajuda médica perante qualquer um dos sintomas referidos, a boa notícia é que existem inúmeras estratégias que podem ajudá-lo a diminuir a sua ansiedade financeira. De seguida, conheça algumas dicas e estratégias que pode implementar na sua vida.

 

Como sei que sofro de ansiedade financeira?

Em termos clínicos, o diagnóstico de ansiedade deve ser realizado por um médico, principalmente se a sua ansiedade estiver a incapacitá-lo em certas situações ou a causar-lhe um desconforto maior do que aquele que é normal. Afinal, pode necessitar de um acompanhamento psicológico e até de medicação.

No entanto, de uma forma genérica, pode começar a detetar que sofre de ansiedade financeira quando tem um sentimento de preocupação, medo ou desconforto recorrente com as suas finanças pessoais. E este tipo de preocupações não desaparecem da sua mente e acabam por despoletar outros problemas.

Por exemplo, muitas pessoas sofrem de ansiedade financeira perante crises económicas, perda de rendimentos/de trabalho ou quando entram numa situação de incumprimento. A incapacidade de poupar ou a má gestão financeira, por vezes, também geram ansiedade financeira.

E tendo em conta estes cenários, é normal sentir-se preocupado. Afinal, se tem dificuldades em pagar as suas contas, está em risco de entrar em incumprimento ou tem dívidas, é natural sentir-se sobrecarregado com estes problemas que trazem consequências graves para a sua vida pessoal e financeira.

Contudo, para diminuir a sua ansiedade, saiba que a maioria destes problemas podem ser resolvidos com algumas estratégias, mudança de mentalidade e aumento da sua literacia financeira.

 

Dicas para lidar com a sua ansiedade financeira

Identifique porque é que as suas finanças não estão saudáveis

Se as suas finanças pessoais afetam o seu sono, o mais provável é que esteja num aperto financeiro complicado. Embora existam períodos financeiros mais estáveis que outros, para diminuir a sua ansiedade financeira precisa de identificar a sua origem.

Ou seja, precisa de saber o que está a causar os seus problemas financeiros ou o medo em relação ao seu futuro financeiro.

Motivos que costumam causar ansiedade financeira

  • Aumento da inflação e dos juros: O seu dinheiro não chega para pagar as suas despesas ou perdeu poder de compra e está a viver no seu limite financeiro;
  • Perda de rendimentos: Se ficou desempregado ou perdeu uma parte dos seus rendimentos, pode estar a ter dificuldades em pagar as suas despesas essenciais, principalmente se não tem um fundo de emergência.
  • Má gestão financeira: Se não controla os seus rendimentos e despesas, é normal que as suas finanças estejam constantemente desequilibradas. Não tendo um método de gestão financeira e não definindo um orçamento para cada tipo de despesas, pode acabar a gastar mais do que deve. E assim, os seus rendimentos acabam por não ser suficientes até ao final do mês. Por isso, é sempre aconselhável gerir as suas finanças através de um orçamento familiar.
  • Não tem uma poupança ou fundo de emergência: Criar uma poupança e/ou um fundo de emergência permite-lhe obter uma maior tranquilidade financeira perante imprevistos e perda de rendimentos. Se não tem uma poupança que assegure certos imprevistos, é normal que sempre que estes surjam fique numa situação financeira complicada.
  • Tem vários créditos e está em risco de entrar em incumprimento: Caso tenha vários créditos, com a subida dos juros é normal que a sua taxa de esforço tenha aumentado significativamente. E juntando os encargos com os seus créditos ao aumento de várias despesas, pode estar em risco de entrar em incumprimento. Nestes casos, é essencial rever os seus créditos e tentar renegociá-los. Se estiver a pensar contratar um novo empréstimo, tenha em conta o peso que este terá no seu orçamento familiar e a sua taxa de esforço.
  • Não consegue saldar as suas dívidas: Por fim, no caso de ter dívidas e não ter meios para saldá-las é normal que esteja bastante preocupado. Mas lembre-se que na maioria das situações pode negociar a sua dívida, pagando em prestações ou até estendendo o prazo de pagamento.

 

Perceba a sua relação com o dinheiro

Durante este processo de análise, perceba qual é a sua relação com o dinheiro e com o processo de consumo. Através de uma análise simples, é possível entender se tem um perfil mais consumista, se gosta de tomar decisões por impulso ou se tem um perfil de consumidor que gosta de jogar pelo seguro.

A relação que cria com o dinheiro desde a infância leva muitas vezes a maus hábitos de consumo. Por isso, aprender sobre literacia financeira infantil é importante desde tenra idade.

De qualquer forma, se identificar que a sua relação com o dinheiro é despreocupada e gerida por impulsos consumistas, deve colocar em prática estratégias de gestão que alterem esse comportamento. Caso contrário, por mais voltas que dê às suas finanças pessoais, o mais provável é regressar à prática de velhos hábitos prejudiciais.

 

Trace metas tangíveis para resolver os seus problemas financeiros

Após identificar o que está a despoletar a sua ansiedade financeira, é hora de se focar menos nos problemas e mais nas soluções que tem ao seu alcance. Afinal, existem várias estratégias que podem diminuir ou até eliminar os seus problemas financeiros. No entanto, nesta fase, é fundamental traçar metas tangíveis, para alcançar um resultado positivo.

Por exemplo, se está empregado, mas os seus rendimentos são insuficientes perante a subida dos juros e da taxa de inflação, está na altura de rever as suas despesas, renegociar contratos, e cortar no que não é essencial.

Como primeiro passo, deve fazer ou ajustar o seu orçamento familiar com o valor atual das suas despesas e os seus rendimentos. Se os seus encargos são superiores aos seus rendimentos, terá obrigatoriamente de fazer cortes no que não é essencial.

Se tem um crédito habitação, deve tentar renegociar o seu contrato junto do banco, de forma a baixar o valor que paga atualmente. Esta redução de valor pode estar associada a uma redução de spread, do seguro de vida e seguro multirriscos ou até num aumento do prazo do contrato. Ao estender a maturidade do contrato, o seu crédito ficará mais caro, pois irá pagar mais juros no final. Contudo, numa situação de aperto financeiro, pode ganhar uma folga extra para aumentar a sua liquidez mensal.

Já no caso de ter vários créditos, pondere recorrer ao crédito consolidado. Quando consolida os seus créditos, está a optar por uma solução financeira que lhe permite juntar vários créditos num só, ficando assim com uma única prestação. Na maioria dos casos, estaprestação mensal é mais baixa do que a soma de todas as prestações de crédito que paga. Isto porque no crédito consolidado a taxa de juro é, normalmente, mais baixa do que a maioria das taxas de juro aplicadas aos créditos pessoais, como os cartões de crédito.
Se é o seu caso, pondere esta solução para conquistar alguma folga financeira.

Caso tenha uma carteira de seguros com várias apólices, este é o momento perfeito para analisar cada uma e pedir simulações junto de outras seguradoras. Veja com atenção se não tem coberturas repetidas ou que não são úteis atualmente.

Nestes quatro passos, tem a possibilidade de poupar centenas de euros. Contudo, para não se sentir sobrecarregado, divida este processo de análise e negociação em fases.

 

Aumente a sua literacia financeira

Investir no aumento da sua literacia financeira permite-lhe dominar vários temas que envolvem as suas finanças pessoais. Quanto mais souber sobre finanças, maior será a sua capacidade de tomar decisões acertadas sobre o seu futuro financeiro. Este tipo de informação pode ser extremamente útil para reduzir a sua ansiedade financeira e o stress do dia a dia com as suas contas. Em Portugal, a aposta na literacia financeira tem sido reforçada nos últimos tempos, e muitos portugueses já demonstram maiores conhecimentos, nomeadamente sobre temas complexos.

Por exemplo, quando começa a olhar para o dinheiro de forma saudável e a comunicar corretamente sobre este tema no seio familiar, acaba por otimizar a gestão do seu dinheiro e alcançar bons resultados.

Se todos os membros da sua família tiverem consciência do valor do dinheiro e do impacto das suas decisões, a gestão financeira tem tendência a melhorar. Afinal, quando todos os elementos participam ativamente na gestão financeira, é possível implementar hábitos saudáveis e criar metas individuais e de grupo.

Outro ponto importante é que o aumento da literacia financeira permite-lhe avaliar melhor todas as propostas que recebe. Em termos da contratação ou negociação de créditos ou seguros, se estiver bem informado consegue avaliar a solução mais vantajosa para si, pois percebe o significado de certas taxas, comissões, impostos, entre outros encargos.

 

Construa uma poupança para reduzir a sua ansiedade financeira

Já ao nível das poupanças, ao implementar algumas estratégias, como por exemplo a criação de uma poupança automática para constituir o seu fundo de emergência, vai sentir-se mais seguro em relação ao futuro. O fundo de emergência tem o objetivo de cobrir as suas despesas essenciais por um período mínimo de seis meses. Quando consegue cumprir este objetivo, a sua ansiedade financeira tem tendência a diminuir drasticamente.

Se a sua preocupação estiver associada à reforma, deve aprender sobre investimentos que permitem complementar a sua pensão de velhice. Neste caso específico, deve aprender o máximo de informações sobre PPR, pois é um produto financeiro que permite rentabilizar os seus rendimentos a longo prazo.

Contudo, não se esqueça que deve atualizar com alguma frequência os seus conhecimentos de literacia financeira, para estar devidamente informado e atualizado.

 

Procure a ajuda de profissionais para diminuir a sua ansiedade financeira

Quando está numa situação financeira complicada, é normal não conseguir encontrar soluções para o seu caso concreto. Caso sinta dificuldades em tomar as rédeas das suas finanças, renegociar contratos de crédito e seguros, ou até as suas dívidas, deve procurar ajuda de profissionais especializados para este efeito.

Por exemplo, no caso dos contratos de créditos e seguros, eu posso o ajudá-lo a encontrar as melhores soluções para si. Por vezes, também é possível encontrar workshops gratuitos ou acessíveis que ensinam a gerir melhor as suas finanças. Já se estiver numa situação de sobre-endividamento, também pode contar com o apoio gratuito do Gabinete de apoio ao sobre-endividado da Deco.

Não se esqueça que, nestas alturas, é fundamental cuidar da sua saúde física e mental. Embora deva reunir o máximo de informação e pôr mãos à obra para resolver a sua situação financeira, tente ocupar a sua mente com outras distrações e objetivos. Lembre-se que esta é uma fase menos positiva, mas poderá colocar as suas finanças de boa saúde cumprindo certas estratégias e metas financeiras.

Por último, esteja atento às medidas implementadas pelo Governo, pois poderá ter direito a certos benefícios para resolver a sua situação atual.

Partilhe este artigo

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Email
Imprimir

Este site usa cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência no meu site.

Estou sempre disponível para ajudar!

Seja para reduzir as suas prestações mensais com um crédito consolidado ou renegociar os seus créditos ou até mesmo criar um crédito habitação à sua medida. Para isso basta preencher o formulário abaixo com os seus dados e eu irei entrar em contacto consigo o mais rápido possível.