Crédito pessoal: O que é preciso para ter o empréstimo aprovado?

Se precisa de um dinheiro extra para fazer face a um qualquer imprevisto ou plano que traçou vai, certamente, ponderar, entre outras soluções, avançar para um crédito pessoal.

Vai então passar por avaliação de risco de crédito. Esta análise é fundamental para que um crédito pessoal seja aprovado. Porém, a grande questão é: o que fazer para melhorar esta apreciação junto do banco?

Mas, o que é a avaliação de risco de crédito? Ao pedir um crédito, o banco tem de analisar a sua situação financeira para saber se tem condições para pagar as prestações e, assim, cumprir o compromisso que assumiu.

Por outras palavras, é o procedimento necessário para mostrar ao banco que consegue pagar o empréstimo que quer contrair. O objetivo desta avaliação é evitar um possível incumprimento futuro.

Para tal, vai ter de apresentar documentos que comprovem a sua situação financeira, nomeadamente os recibos de vencimento ou os extratos bancários.

Posto isto, importa obter resposta a outras questões fundamentais: como é feita a avaliação de risco de crédito? Oque fazer para ter uma nota positiva e conseguir o tão desejado empréstimo?

 

5 dicas para que o seu crédito pessoal seja aprovado

Conseguir um crédito pessoal aprovado no menor tempo possível é essencial para resolver um momento de “aflição” financeira. Para isso, tem forçosamente de ter uma boa avaliação de risco de crédito por parte do seu banco.

Assim, em primeiro lugar, não estar em incumprimento é “meio caminho andado” para ter crédito.

O histórico de pagamentos é igualmente importante para o banco perceber qual o risco que envolve o seu empréstimo. Se tem por hábito atrasar-se nos pagamentos ou se, por exemplo, tem uma restrição no uso de cheques, então pode ter dificuldades em obter um novo crédito.

Sem registo de incumprimento no Banco de Portugal

Sempre que pede um crédito a uma instituição financeira (ou mesmo um cartão de crédito), o seu nome fica registado na Central de Responsabilidades de Crédito (CRC). Esta é uma base de dados gerida pelo Banco de Portugal onde constam todas as pessoas singulares e coletivas que tenham um qualquer empréstimo superior a 50 euros. Não raras as vezes, é conhecida como “lista negra”.

Na realidade, o objetivo da CRC é, precisamente, apoiar as instituições na avaliação do risco de crédito, juntando toda a informação sobre os créditos de qualquer pessoa ou empresa.

Se já tem um empréstimo para a compra da casa e vai pedir um crédito pessoal, o primeiro vai aparecer nessa base de dados. O mesmo se aplica à dívida do seu cartão de crédito ou eventuais descobertos bancários.

Ou seja, qualquer pessoa, mesmo que pague sempre todas as suas prestações, pode aparecer nesta base de dados. Porém, isso não implica que por si só, não possa ter acesso a um crédito.

A informação não é disponibilizada ao público em geral, mas qualquer pessoa tem acesso ao seu mapa de responsabilidades de crédito. Basta aceder ao site do Banco de Portugal e seguir as instruções.

Por outro lado, ao verificar o seu mapa, vai certificar-se de que não tem dívidas esquecidas ou até desconhecidas.

A partir do momento que falha o pagamento de uma mensalidade, o seu nome fica imediatamente “manchado” no Banco de Portugal e o incumprimento registado no seu Mapa de Responsabilidades de Crédito.

Para que o seu pedido de empréstimo pessoal seja aprovado, não pode ter quaisquer registos de incumprimento. Esta é uma imposição legal do regulador.

 

 

Saldo positivo na sua conta bancária

Antes de aprovarem o seu pedido de crédito, as instituições financeiras analisam o histórico da sua conta bancária. Ou seja, verificam se o seu saldo é positivo ou negativo, e qual o seu padrão habitual.

Logo, se o mesmo for muitas vezes negativo, é um cliente de risco. Por isso, é condição quase obrigatória manter a sua conta bancária com saldo positivo (preferencialmente, de uma forma consistente). Um saldo positivo regular é um indicador da sua capacidade de cumprir com as suas obrigações num eventual contrato de crédito.

Situação profissional (comprovadamente) estável

A situação profissional é outros dos fatores analisados num processo de admissão de crédito. Os bancos podem solicitar, em caso de necessidade, a apresentação de:

Dessa forma, no momento da celebração do contrato de crédito, mesmo que seja um crédito pessoal online, tem de comprovar que tem um trabalho estável. Esta é uma condição base para poder cumprir com as suas responsabilidades. Se o fizer, vai estar a dar um sinal ao seu banco de que o risco que este corre ao emprestar-lhe dinheiro é muito baixo.

  • Fiadores/Avalistas;
  • Garantias Hipotecárias e/ou Financeiras adicionais como forma de reduzir o risco de crédito.

Taxa de esforço antes de obter um crédito pessoal

O rendimento que recebe é, obviamente, outro fator a ter em conta. Ou seja, quanto maior for o seu salário ou outros rendimentos, mais facilidade tem em pagar. Logo, maiores serão as probabilidades de aprovarem o seu crédito.

Assim, a taxa de esforço é um indicador essencial para qualquer banco avaliar a sua situação financeira. Esta mostra qual a percentagem do rendimento total do agregado familiar que é afeto às prestações a pagar ao banco. Se esta for superior a 40%, existe uma forte possibilidade do seu crédito não ser aprovado.

Por outro lado, é habitual as instituições financeiras pedirem comprovativos dos recibos de vencimento e do IRS. Com estes documentos, o seu banco analisa o seu perfil de consumo e qual o peso que um crédito (ou mais um crédito) vai ter nas suas contas mensais.

Mais do que um titular na proposta de crédito

Se possível, tente indicar dois titulares na proposta de crédito. Desta forma, vai aumentar as possibilidades de ter o crédito aprovado. As instituições financeiras tendem a dar preferência a propostas com mais do que uma pessoa a assumir o compromisso de reembolsar o dinheiro emprestado.

 

Crédito pessoal vs crédito habitação: avaliação de risco não é igual

Na verdade, a avaliação depende também do tipo de crédito.

Um crédito habitação, regra geral tem sempre mais restrições para aprovação. Isto porque, envolve montantes mais altos e prazos mais longos, pelo que o risco é maior.

Pelo contrário, aprovar um crédito pessoal é bem mais fácil. O que explica a “facilidade” de obter até 25.000 sem sair de casa. E com um tempo de resposta quase imediato.

Ainda assim, independentemente do tipo de crédito que vai pedir, antecipe-se ao seu banco e faça a sua própria avaliação de risco de crédito.

Em suma, é importante fazer contas, analisar a sua situação financeira e identificar o nível do risco de falhar prestações. Se o risco for alto, considere outras opções. Por exemplo, pondere criar uma poupança e colocar de lado um montante, todos os meses, até atingir o valor necessário para o seu objetivo.